Empresas estatais federais registram lucro de R$ 70 bilhões em 2018

30/04 /2019 Economia.gov Entre os cinco maiores grupos estatais, a Petrobras fechou 2018 com o maior lucro, de R$ 27 bilhões O Banco do Brasil, Caixa Econômica, BNDES, Eletrobras e a Petrobras – que representam mais de 96% dos ativos totais e mais de 93% do patrimônio líquido das estatais federais – mantiveram a tendência de alta no lucro e fecharam 2018 com R$ 70 bilhões de ganho. Esse valor representa um aumento de 147% em relação a 2017, quando a rentabilidade foi de R$ 28,3 bilhões. Entre essas empresas, o maior crescimento verificado foi no Grupo Petrobras, que saiu de um lucro de R$ 377 milhões em 2017 para lucro de R$ 27 bilhões em 2018 (aumento de 6.981,7%).  Os dados constam no 9º Boletim das Estatais, divulgado pela Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais nesta terça-feira (30/4). Atualmente, o governo federal tem controle direto e indireto de 134 empresas estatais. Em dezembro de 2017, elas eram 146. […] Voir intégralité de l’article

Mercosul terá plano para redução da TEC em dezembro

30/04/2019 / Valor Sem alarde, o governo brasileiro emplacou com seus sócios no Mercosul uma proposta de reestruturação geral da Tarifa Externa Comum (TEC), que está completando 25 anos sem jamais ter sido revisada. A ideia do Brasil foi aprovada no dia 21 de março por Argentina, Uruguai e Paraguai. Os quatro países se comprometeram a discutir ao longo deste ano uma proposta de mudança unilateral das tarifas de importação aplicadas em conjunto sobre produtos oriundos de fora da região. […] Voir intégralité de l’article

Itaú terá pacote de benefícios para clientes Rede com conta no banco

 01/05/19 | Valor SÃO PAULO   Em mais um capítulo da “guerra das maquininhas”, o Itaú lança amanhã um pacote de benefícios para os clientes da credenciadora Rede que mantêm domicílio bancário na instituição financeira. O banco vai reduzir preços de pacotes de serviços e isentar transferências para clientes com faturamento anual até R$ 30 milhões. De acordo com Marcos Magalhães, presidente da Rede, a iniciativa vem para mostrar que as decisões do Itaú e da Rede “não têm pegadinha” e para dar “liberdade ao cliente para movimentar os seus recursos”. O Itaú e a Rede têm sido atacados por concorrentes novatas no mercado de credenciamento após anunciar, no dia 17 de abril, a isenção de uma taxa cobrada dos varejistas para antecipar os valores recebidos em compras com cartão de crédito à vista. Esses recursos normalmente são repassados aos lojistas em 30 dias, mas agora serão pagos em apenas dois dias. As concorrentes acusam o banco e sua credenciadora de práticas anticoncorrenciais, entre elas “venda casada”, já que a oferta está atrelada a receber recursos na conta Itaú, e preços predatórios, uma vez que pode levar a empresa ao prejuízo. […] Voir intégralité de l’article